ENTREVISTA ND: DELEGADO FALA SOBRE OS NÚMEROS DO COMBATE À CRIMINALIDADE EM NÍSIA FLORESTA

O blog Nísia Digital entrevistou o Delegado Marcelo Aranha, que é o titular da Delegacia de Polícia Civil de Nísia Floresta. Na oportunidade, ele fez um balanço positivo sobre os números do combate à criminalidade no município, comparando os números deste ano de 2018 com os apresentados em 2017. A importância da colaboração da população também foi tema do bate-papo.

Confira logo abaixo:

Nísia Digital – ND: A sensação de insegurança é uma realidade em todo o Rio Grande do Norte e não é diferente em Nísia Floresta. Em meio à esse quadro, o senhor acredita que houve avanços no combate à criminalidade na cidade?

Marcelo Aranha- MA: Houve uma grande diminuição nos índices de roubo, arrombamentos e homicídios no período de janeiro a setembro de 2018, quando comparado com o mesmo período de 2017.

ND: Existe um estudo que comprova essa redução?

MA: Sim. Um recente Relatório Estatístico, apresentado pela Coordenadoria de Informações Estatísticas e Análises Criminais da Secretaria de Segurança – COINE, mostram bons resultados para a segurança pública da cidade de Nísia Floresta. Em relação aos chamados CVPs (Crimes Violentos contra o Patrimônio), dentre os quais se incluem roubos, arrombamentos e furtos, a taxa de diminuição foi de quase 20%, caindo de 192 casos em 2017 para 155 no corrente ano.

ND: Este ano o município registrou uma chacina onde 6 pessoas acabaram sendo assassinadas. Como estão os número de homicídios em Nísia?

MA: Se tratando dos CVLIs (Crimes Violentos Letais Intencionais), dentre os quais estão os homicídios e latrocínios, os dados da COINE mostram que a queda foi de 40%, sendo 45 casos em 2017 e 27 agora em 2018.

ND: O senhor avalia que a situação de Nísia Floresta é melhor que a do RN como um todo?

MA: O município de Nísia Floresta vem na contramão do aumento da criminalidade, ou seja, enquanto os índices de insegurança do Rio Grande do Norte aumentam, por aqui eles diminuem. Essa diminuição está ocorrendo após um grande e intenso trabalho integrado na cidade, com a participação da Polícia Civil, Polícia Militar e a Polícia Rodoviária Estadual.

ND: Não são raros os casos em que suspeitos são liberados em virtude das “brechas nas leis”, fato que gera bastante indignação na população. O senhor é a favor de mudanças para tornar as leis brasileiras mais rígidas?

MA: O grande problema da soltura de presos logo após sua prisão está na lei. Muitos culpam juízes, mas eles apenas interpretam a lei, porém uns interpretam de forma mais rígida do que outros. A solução para resolver esse problema seria endurecer mais a legislação. Muitas vezes nos prendemos duas ou três vezes a mesma pessoa para que ela fique efetivamente presa. Isso chega até a causar um grande desânimo nos policiais e revolta na população

ND: O blog divulgou algumas das prisões realizadas pela Polícia Civil nos últimos meses, sendo boa parte delas oriundas de denúncias anônimas. Qual o papel da população no trabalho das polícias?

MA: As denúncias anônimas feitas pela população são de suma importância, tendo em vista que as condições de trabalho e investigação não são as ideais. Na verdade, a maioria dos casos são resolvidos com a ajuda da população.

ND: O que fazer para que os índices de violência continuem a cair?

MA: Continuar e ampliar o trabalho que está sendo desenvolvido. O nosso próximo passo vai ser o intenso combate ao tráfico de drogas, roubos e arrombamentos nas praias do litoral sul e nas lagoas de Nísia Floresta, pois são cartões postais de nosso Estado e não podem ficar abandonados.

ND: Delegado, o Nísia Digital agradece a entrevista e deseja sucesso no trabalho em busca de uma Nísia Floresta menos violenta.

MA: Agradeço o espaço e gostaria de lembrar que qualquer denunciante pode ficar despreocupado, pois sua identidade será mantida em sigilo. Qualquer pessoa pode fazer sua denúncia através do disque denúncia da Delegacia de Nísia Floresta através do numero 98118-7675 (whatsapp) ou através do 181.

Da Redação / Nísia Digital

O que tem a nos dizer?

...