PEQUENAS EMPRESAS SEGURAM SALDO POSITIVO DE EMPREGO NO RN

Foto: Moraes Neto

O segmento das micro e pequenas empresas sinaliza a tendência de retomada do emprego no Rio Grande do Norte. Na contramão das médias e grandes empresas, os pequenos negócios contribuíram para que o estado encerrasse o ano com um saldo positivo de 4.236 vagas de emprego formal – aqueles com registro na carteira. O saldo é a relação entre a quantidade de pessoas contratadas menos as que foram demitidas. No mês de dezembro, o saldo ficou negativo em 1.039 postos de trabalho. Os números fazem parte de um relatório feito pelo Sebrae com base nos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego sobre a situação do emprego no Brasil.

Análise confirma que o segmento das micro e pequenas empresas tem sido relevante para a retomada do ritmo de novas contratações no estado. Segundo o estudo, entre janeiro e dezembro do ano passado, os pequenos negócios tiveram um saldo positivo de 2.408 vagas. Já as corporações de médio e grande portes demitiram mais que contrataram em todos os meses de 2017. E, por isso, chegaram ao fim do ano com uma baixa de 90.589 vagas.

De acordo com o levantamento, em dezembro, as empresas de todos os portes, inclusive as da administração pública, tiveram uma defasagem de 2.851 postos de trabalho. As MPEs apresentaram um saldo negativo de 1039 vagas. Já as empresas de médio e grande porte tiveram um déficit de 1.785 vagas. O impacto foi maior no setor de serviço, que perdeu 918 postos de trabalho, seguido da agropecuária (835) e da construção civil (823).

No Brasil, os pequenos negócios acumularam um saldo de aproximadamente 330 mil novos empregos, nos últimos 12 meses, na contramão das médias e grandes empresas, que foram responsáveis pela extinção líquida de 350 mil postos de trabalho neste mesmo período.

O acumulado do ano aponta ainda que praticamente todos os setores obtiveram resultado positivo, com destaque para as MPE do setor de Serviços, com um saldo de 206,4 mil postos de trabalho formais gerados, seguidas das do Comércio, com 90 mil novos empregos. Apenas os setores da Construção Civil e da Extração Mineral registraram saldos negativos de 6,4 mil e de 2,1 mil, respectivamente. Ao longo do ano, com exceção dos meses de março e dezembro, as micro e pequenas empresas apresentaram número de contratação superior ao de demissões no país assim como no Rio Grande do Norte.

Em função da sazonalidade, as empresas, de um modo geral, apresentam saldos negativos de empregos todos os anos no mês de dezembro, que em 2017 foram puxados pela Indústria e pelo setor de Serviços. No último mês do ano passado, os pequenos negócios registraram o saldo negativo de 164 mil empregos, enquanto as médias e grandes empresas computaram também saldo negativo de 147 mil empregos.

Da Agência Sebrae

O que tem a nos dizer?

...