QUASE 100 PESSOAS FORAM AUTUADAS DURANTE A OPERAÇÃO CARNAVAL 2018 DA POLÍCIA CIVIL DO RN

Durante a Operação Carnaval 2018, que começou na noite da sexta-feira (09) e seguiu até a manhã da quarta-feira (14), as equipes da Polícia Civil do Rio Grande do Norte autuaram em flagrante delito 95 pessoas que praticaram delitos como embriaguez ao volante; roubo de veículos; roubos e furtos; homicídio e tentativa de homicídio; porte ilegal de arma de fogo; ameaça e estupro.

As equipes vinculadas à Diretoria de Polícia Civil da Grande Natal (DPGRAN), que trabalharam nas praias do litoral sul, norte e no corredor turístico de Natal autuaram 29 pessoas e registraram um total de 225 boletins de ocorrência, número superior aos registrados nos dois últimos anos. Em 2017 foram registrados 153 e em 2016, 198. Também foram registrados dois Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO) e um Boletim Circunstanciado de Ocorrência (BCO).

Os policiais civis da área da DPGRAN autuaram em flagrante delito 12 pessoas que estavam dirigindo embriagadas; duas por roubo de veículo; duas por roubo; dois adolescentes por ato infracional análogo a roubo; uma pessoa suspeita pela prática de homicídio; uma por tentativa de homicídio; cinco por porte ilegal de arma de fogo; duas pessoas pela prática de ameaça; uma pessoa suspeita por estupro e outra por furto de celular.

As equipes vinculadas à Diretoria de Polícia Civil do Interior (DPCIN) que trabalharam nas 10 Delegacias Regionais autuaram em flagrante 66 pessoas pela prática de crimes em flagrante. Os policiais civis registraram 193 boletins de ocorrência e 41 Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO).

No interior do Estado, 66 pessoas foram autuadas, sendo 23 delas por suspeitas de prática de embriaguez ao volante; 13 por violência doméstica; oito por tráfico de drogas; sete por porte ilegal de arma de fogo; uma por posse ilegal de arma; quatro pessoas suspeitas pela prática de ameaça; quatro por receptação; dois suspeitos por roubo e dois por furto; uma suspeita pela prática de tentativa de homicídio e outra suspeita por comércio de substância nociva à saúde.

Da Redação / Nísia Digital

O que tem a nos dizer?

...